Concierto Hommage a Liége Piazzolla

Postado em 05 de julho de 2017

Concierto--capa

 

Os argentinos Daniel Binelli e Eduardo Isaac se unem ao brasileiro Claudio Cruz para lembrar os 25 anos da morte do músico com o Concierto Hommage a Liége Piazzolla

 

Um encontro inédito de músicos brasileiros e argentinos vai homenagear o maestro Astor Piazzolla, cuja morte completa 25 anos em 2017. Nos dias 15 de julho, às 21h, e dia 16, às 18h, no Teatro do SESC Pompeia, o duo internacional argentino Daniel Binelli (bandoneon) e Eduardo Isaac (violão) se une aos violinistas Claudio Cruz, Adrian Petrutiu, Victor De Vincenzo, Marcela Oliveira, Gabriel Marin (viola), Alceu Reis (violoncelo), Sergio Oliveira (contrabaixo) para executar o Concierto Hommage a Liége Piazzolla (Concerto Double), jamais realizado com essa formação no Brasil.

 

Para se ter ideia da importância da reunião desses músicos, é preciso lembrar que Daniel Binelli foi o bandoneonista do New Tango Sextet, tocando junto a Piazzolla em várias turnês internacionais e gravações de vídeos e discos. Eduardo Isaac é considerado o melhor intérprete de Piazzolla em violão do mundo. E Claudio Cruz é um dos maiores intérpretes brasileiros do músico argentino, ganhando um Grammy Latino, em 2002, pelo disco de tangos Astor Piazzolla, além de ser considerado um dos maiores virtuosos de violino do Brasil.

 

A idealizadora do espetáculo, a produtora Amália De Vincenzo, afirma que há anos tenta trazer esse concerto para o Brasil. “Agora, deu certo e ainda coincidiu com os 25 anos da morte do Piazzolla”, diz. Amália afirma que já tinha contratado os dois músicos argentinos, quando teve a ideia de convidar Claudio Cruz para integrar o concerto. “Quando Claudio ouviu o nome de Binelli, aceitou imediatamente. Foi fantástico”, conta.

 

Escrito para bandoneon, violão e orquestra de câmara, O Concierto Hommage a Liége – (Concerto Double) vai ser executado, pela primeira vez no Brasil, com um acordeon, um violão, cinco violinistas, um violoncelo e um contrabaixo.

 

Além do virtuosismo técnico dos instrumentistas, durante a apresentação, Daniel Binelli vai relatar a vivência que teve com o compositor e amigo Astor Piazzolla. “Binelli foi do sexteto durante os três últimos anos da vida de Piazzolla. Então, ele tem muito caso pra contar . Ee ele é engraçadíssimo. Vai ser uma apresentação bem leve, nada formal”, afirma Amália.

 

Sobre os Artistas

 

Claudio-Cruz

Cláudio Cruz

Iniciou-se na música com seu pai, o luthier João Cruz, posteriormente, recebeu orientação de Erich Lehninger e Maria Vischnia, como extensão de sua formação, frequentou cursos ministrados por Joseph Gingold, Chaim Taub, Kenneth Goldsmith e OlivierToni. Vencedor de diversos concursos no Brasil, foi premiado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) em 1985 e 1997, ganhador do Prêmio Carlos Gomes em 2002 como camerista e 2006 como solista instrumental, Prêmio Bravo em 2011 e o Grammy Awards em 2002.  Em 1991, estreou na Europa como solista da Kammerorchester Berlin, sendo aclamado como “grande intérprete de Mozart” pelo jornal Berliner Morgenpost. A partir de então, Cláudio Cruz tem sido convidado a atuar como solista e camerista em países. Spalla da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo desde 1990, foi primeiro violino do Quarteto Amazônia e atualmente é primeiro violino do Quarteto Carlos Gomes. Em intensa atividade como regente, apresenta-se frequentemente na Europa, Ásia e com algumas das mais importantes orquestras brasileiras.  Foi Regente Titular das Sinfônicas de Ribeirão Preto e de Campinas, Diretor Musical da Orquestra de Câmara Villa-Lobos. Atualmente é Regente e Diretor Musical da Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo e Diretor Artístico da Oficina de Música de Curitiba.

 

Daniel Binelli

Viajou o mundo como membro do sexteto de Astor Piazzolla, além de arranjador da Orquestra de Osvaldo Pugliese. Em 2014, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais estreou sua peça feita exclusivamente para o grupo, Suíte para Harpa e Orquestra, interpretada pela harpista Giselle Boeters. Além disso, compôs três concertos: um para bandoneon, um para piano e outro para violão e orquestra. Ele foi comissionado pela Utah State University por um concerto para piano, bandoneon e orquestra.

Binelli foi solista de orquestras como Philadelphia Orchestra, Atlanta Symphony, Virginia Symphony, Sydney Symphony, Montreal Symphony, Dayton Philarmonic, St. Peterburg Symphony, entre outras. Alguns dos regentes com quem Binelli trabalhou inclue Charles Dutoit, Lalo Schifrin, Franz Paul Decker, Robert Spano, Joann Falletta, Giselle Ben-Dor, Isaiah Jackson, Michael Christie, Lior Shambadal e Daniel Schweiter. Binelli regeu a Opereta de Piazzolla: María de Buenos Aires na Sicilia (Italia) com a cantora italiana Milva. Recentemente gravou um documentário para a PBS chamado “Tango the Spirit of Argentina” e um documentário da BBC sobre a vida de Astor Piazzolla.

 

Eduardo-Isaac-high-definition-by-Daniel_Tapia

Eduardo Isaac

Ganhou o primeiro prêmio em competições internacionais de importância global: Infanta Cristina (Madrid), Andrés Segovia (Palma de Mallorca), Rainha Fabiola, de Namur (Bélgica). Em 1990, começou a gravar para o selo GHA RECORDS (Bruxelas) uma série de discos de grande significado dedicados ao repertório do século XX. Fez inúmeras turnês em cidades ao redor do mundo. É solista convidado em grandes números de orquestra sendo algumas delas a Orquestra Sinfônica de Montreal (Canadá), Orquestra Sinfônica Nacional da Bélgica sob regência de Octors Georges, Orquestra Sinfônica de Córdoba (Espanha) sob regência de Leo Brouwer, da Orquestra Sinfônica Nacional da Argentina sob regencia de Pedro Calderón. Em 2009, gravou com a Orquestra Sinfônica Orquestra Salta para a Sony Classical. Professor de máster classes repertório e técnica instrumental no Brasil, México, EUA, Portugal, Espanha, Itália, Alemanha, Bélgica e França. Na Argentina é um professor da Universidade Autônoma de Entre Rios e presidente da Latin American Music Conservatory “Luis Gianneo” Mar del Plata. Recebeu o Konex como um dos principais figuras da música clássica Argentina

 

Gabriel-Marin

Gabriel Marin       

Violista da Osusp, foi também violista da Orquestra Sinfônica Municipal de SP e durante seis temporadas atuou como primeiro viola solo da OSB. Foi premiado em diversos concursos, destacando-se o Prêmio Eleazar de Carvalho do Festival de Inverno de Campos do Jordão. Foi músico da Orquestra Jovem das Américas, onde tocou ao lado de Gustavo Dudamel, Leonard Slatkin e Yo Yo Ma em turnês por 13 países das Américas. Foi também violista da Odense Symphony Orchestra (Dinamarca).

 

Sergio-Oveira

Sergio Oliveira

Nascido em São Paulo, iniciou seus estudos de contrabaixo no Conservatório de Tatuí com o Nicolaus Schevtschenko. Em 1983 foi premiado com uma bolsa de estudos para ingressar na Karajan Stiftung (Academia da Filarmônica de Berlin) e se aperfeiçoar com o primeiro contrabaixista, professor Rainer Zepperitz. Apresentou-se com a referida orquestra sob a regência de maestros como Herbert Von Karajan, Cláudio Abbado, Seiji Osawa, Carlo Maria Giulini, Ricardo Mutti, Eugen Jochum, André Previn, entre outros. Participou de gravações com a Filarmônica de Berlin. Também tocou na Deutsche Oper Berlin durante um ano. Foi solista de importantes orquestras brasileira, tais como Osesp,Osusp, Orquestra Sinfônica do Paraná, Orquestra Sinfônica de Brasília, Orquestra Sinfônica de Santo André, Orquestra de Câmara de Curitiba, Orquestra Bachiana Filarmônica, Orquestra de Câmara de Tatuí e Orquestra de Câmara Villa-Lobos. Tocou na Philarmonie em Berlim como primeiro contrabaixista convidado da Orquestra da Rádio de Berlim (DSO). É solista e camerista das orquestras Bachiana Filarmônica e Orquestra Sinfônica de Piracicaba. Também atua como professor da Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP).

 

Adrian-Petrutiu

Adrian Petrutiu

Nascido na Romênia, em 1974, filho de um professor de clarinete e de uma professora de violino, aos cinco anos, teve as primeiras aulas de violino com a mãe. No ano seguinte, começou o estudo na Escola de Música NR.3 de Bucareste e, em 1992, terminou o Liceu de Música George Enescu e ingressou na Academia de Música de Bucareste, onde estudou com o grande solista romeno Gabriel Croitoru. Depois de cinco anos, graduou-se como terceiro colocado na Academia e começou a carreira profissional em 1993 na Orquestra Nacional da Rádio (Romena), fazendo turnês pela Alemanha, França, Itália, Espanha, Inglaterra, Grécia, Áustria e Turquia, entre outros países. Foi integrante várias orquestras de câmara de Bucareste, como a Camerata Valahica, a Philarmonia, a Sinfonia e a Virtuosi. Apresentou-se como solista em orquestras sinfônicas e participou de recitais de música de câmara em várias cidades romenas e também em São Paulo.

 

Alceu-Reis

Alceu Reis

Estudou com Iberê Gomes Grosso, aperfeiçoando-se depois com Pierre Fournier. Foi primeiro violoncelo durante muitos anos da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro (OSTM). De 2002 a 2005 foi primeiro violoncelo convidado da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP). Como camerista, participou do Quarteto Bessler-Reis e foi membro fundador do Quarteto Amazônia. Com o Quarteto Amazônia, gravou um disco dedicado a Astor Piazzolla, ganhando com ele o Grammy Latino em 2002. Alceu Reis já recebeu diversas vezes o Prêmio Sharp, Prêmio Carlos Gomes, prêmios da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte), e o reconhecimento do The New York Times, Diapason, Le Monde de la Musique, dentre outros. Professor convidado nos principais festivais brasileiros, participa também dos júris de concursos como o Internacional Villa-Lobos, Pró-Música de Juiz de Fora e Vitória. É verbete da Enciclopédia da Música Brasileira da Publifolha. Atualmente, é violoncelista do Quarteto Raga e primeiro violoncelo da Orquestra Sinfônica Brasileira da Cidade do Rio de Janeiro (OSB).

 

Marcela Oliveira

Iniciou seus estudos em 2008 na EMESP-Tom Jobim, sob a orientação de Pedro Delarole. Foi aluna do Pablo de Léon (spalla OSMSP) e bolsista em vários festivais, entre eles, o Summer Festival em Praga, Festival Internacional de Música Colonial em Juiz de Fora-MG, Semana da Música de Ouro Branco-MG, Festival de Música de Santa Catarina (FEMUSC), Festival Internacional Música no Pampa em Bagé-RS, Festival Música nas Montanhas em Poços de Caldas-MG, Festival Ilumina e o Festival Internacional Sesc de Música em Pelotas-RS. Junto à Orquestra Jovem do Estado de São Paulo participou, de 2011 a 2016, do Festival Internacional de Campos do Jordão, MDR Musikesoomer, Young Euro Classic, Grachtenfestival, Festival Berlioz e Iberian Suite Washington. Integrante dos primeiros violinos da Orquestra Jovem do Estado de São Paulo, sob a regência do Maestro Cláudio Cruz.

 

Victor De Vincenzo

Bacharel em violino pela Faculdade Cantareira. Ex- aluno da prof. Elisa Fukuda, Márcia Fukuda, Gabriel Gorun, Alexey Chashnikov e Maria Emília Paredes, estudando atualmente com prof. Pablo de Leon (spalla OSMSP). Integrante do naipe dos primeiros violinos da Orquestra Experimental de Repertório e Camerata Fukuda. Tocou nas Orquestras Laetare e Orquestra Metropolitana e esporadicamente na Orquestra Sinfonica do Teatro de São Paulo. Ex- integrante da Orquestra do Instituto Fukuda (OIF) e da Orquestra Manfredo De Vincenzo (spalla).  Bolsista do Festival Internacional Summer Festival em Praga (República Tcheca). Participou de vários Festivais Nacionais de música, entre eles Festival Música nas Montanhas tendo aulas com Elisa Fukuda, Betina Stegmann, Alejandro Drago, Festival Internacional de Música Erudita de Piracicaba com Pedro delarolle, Festival Música em Trancoso (Bahia), tendo aulas com Rüdiger Liebermann (DEU), Lorenz Nasturica-Herschowici (DEU), Nenad Daleore (DEU), Festival de Pelotas – Rio Grande Do Sul, Festival Musica nas Montanhas – Poços de Caldas.

 

Serviço

Piazzolla – Concierto Hommage a Liége Piazzolla, com Daniel Binelli, Eduardo Isaac e Claudio Cruz. Dias 15 de julho, sábado, às 21h, e 16 de julho, às 18h. Ingressos: R$ 30,00 (inteira), R$ 15,00 (meia – estudante, servidor da escola pública, +60 anos, aposentados e pessoas com deficiência) e R$ 9,00 (credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no SESC e dependentes).

Local: Teatro*. Classificação: Livre.

Venda online a partir de 4 de julho, às 17h30. Vendas nas unidades, a partir do dia

5 de julho, às 17h30.

 

Vendas limitadas a 6 ingressos por pessoa.

*O Teatro do Sesc Pompeia possui duas plateias (lados par e ímpar) e galerias superiores não numeradas. Por motivo de segurança, não é permitida a permanência nas galerias, de menores de 12 anos, mesmo acompanhados dos pais ou responsáveis.

 

 

Algum comentário?
20/07/2017 07:34:20