O que nos espera neste 7 de outubro?

Postado em 24 de setembro de 2018

 

A dicotomia social se instala numa pátria doente e desunida em prol de causas político-ideológicas, guiadas por líderes (inclui-se candidatos) confusos, descomprometidos e desorientados sobre qual a melhor forma de resolver questões vitais que poderia nos elevar ao nível que merecemos como povo, como nação.

 

É visível e absurdamente crescente o caos social no nosso país. As mais variadas explicações se fazem presente para tentar mostrar a que ponto que chegamos, com um pátria adoecendo a cada dia mais nas mãos de muitos que deveriam resolver grande parte dos nossos problemas, e por outro lado, cidadãos brasileiros que se destroem nas redes sociais, no trabalho, na vizinhança, ambos os lados formando um coquetel destruidor da nossa jovem democracia.

 

Os debates e as sabatinas dos presidenciáveis têm tido como objetivo, metralhar defeitos, acusações de crimes e não propostas dos mesmos, efeito sintomático de um país mal conduzido E o cardápio é vasto e bem diversificado, sendo necessário escolhermos o “menos pior”. Aliás, nada muito diferente de outras eleições. O que mudou nessa, é que conseguimos, através da Lava-jato, triar um pouco mais o que antes não conseguíamos enxergar. A luz veio de uma forma dolorida e traumática.

 

Me preocupa como brasileiro, os rumos do nosso Brasil, pois a até a grande mídia resolveu partidarizar-se mediante os seus interesses. E por outro lado, no campo artístico-social, Ontem mesmo, profissionais da arte dos mais variados segmentos, resolveram entrar em campo, bem como o crime organizado através das torcidas, por todos os lados se impõe em quem devemos votar. Ás vezes bem subliminar e velado, mas ditam sim o caminho a ser seguido. São “fake news” pra todo lado e a dúvida é, aonde isso vai nos levar? É Lei Rouanet com seus quase 4 bilhões já distribuídos, outros bilhões gastos com mídia e suas propagandas governamentais, a máfia no esporte (Olimpíada, Copa) e etc, etc, etc e mil vezes etc. Como diria a fala no filme Tropa de Elite, “cada cachorro que lamba a sua caceta”, desculpem o termo, mas no nosso Brasil, é isso que acontece.

 

A esquerda está tão desorientada que, ao fazer campanhas de #elenão, uma referência ao candidato Jair Bolsonaro, os da direita criam o #elesim, potencializando a Lei da Atração, natural da vida, em que o “não” se transforma num “sim” por questões óbvias, através do infalível termo, “falem mal, mas falem de mim”.

Jamais eu como brasileiro, vi uma campanha tão eficaz em que todos os lados corroboram para que um candidato vença, e até um criminoso, empunhando uma faca, lhe fez um favor eleitoral.

 

A direita, por sua vez, idolatra um mito que ainda não existe, que possui limitações e necessidade de esclarecimentos sobre polêmicas declarações, e que, apesar da aparente vontade de querer mudar o país, sabe que não será tão fácil assim. Com isso, entram no jogo da dicotomia social digladiando-se em toda parte que se têm uma discussão com viés político. Todos se atacam!!

 

Pátria desunida, cenário instável, a sede pelo Poder, bastidores obscuros de uma Brasília que sucumbe ao incerto, padece pela sua história e clama por dias melhores!!

 

O que nos espera neste 7 de outubro?

 

Sidnei Eclache

sidneieclache@hotmail.com

 

 

 

Algum comentário?
22/10/2018 01:56:15