Zélia Duncan faz show intimista no Teatro Porto Seguro

Postado em 11 de julho de 2018

 

Sozinha no palco com o violão, quase na sua intimidade, Zélia Duncan apresenta o show O Lado Bom da Solidão, na próxima terça-feira (17), às 21 horas, no Teatro Porto Seguro.

A cantora, compositora e violonista mostra seus maiores sucessos como Catedral, Lá Vou Eu, Alma, além de canções de seu repertório afetivo e de sua trajetória. Com cenário de Simone Mina e iluminação de Christiano Desideri, o show tem como conceito a proximidade entre artista e plateia.

 

“O Lado Bom Da Solidão é a possibilidade, sempre, de estar acompanhada de um público que goste de imaginar que estava presente quando as canções foram feitas! Um show que tem como conceito a proximidade entre artista e plateia”, comenta Zélia.

 

O ano de 2018 começou com novidades para a artista. Zélia estreou como diretora no show Simone Encontra Ivan Lins, e na peça Mordidas, ao lado de Ana Beatriz Nogueira, Regina Braga e Luciana Braga, em temporada no Rio de Janeiro.

 

Foto: Roberto Setton

 

Zélia Duncan começou a cantar profissionalmente nos anos 90 e ficou nacionalmente conhecida com a música Catedral. Ao longo de pouco mais de 35 anos de carreira, gravou 11 CDs, 5 DVDs e participou de inúmeros projetos significativos, como a volta do grupo Os Mutantes (2006), o DVD Amigo é Casa (2008), em parceria com a cantora Simone, atuou como atriz no espetáculo Totatiando (2011) e lançou o CD Tudo Esclarecido, em homenagem ao compositor paulista Itamar Assumpção. Em 2015 e 2016 a cantora e compositora foi convidada a ser a roteirista do Prêmio da Música Brasileira. A partir de 2015, Zélia passou a assinar também uma coluna semanal no jornal O Globo.

 

Em 2016 lançou o CD Antes do Mundo Acabar, com sambas de Dona Ivone Lara, Moacyr Luz, Pretinho da Serrinha, Paulinho da Viola, além de parcerias dela com Xande de Pilares, Arlindo Cruz, Ana Costa e Zeca Baleiro. Com este disco Zélia foi a recordista de Prêmios na 27ª edição do Prêmio da Música Brasileira em 2016 (melhor álbum, melhor cantora na categoria samba, melhor música – Antes do Mundo Acabar). No ano seguinte Zélia conciliou os shows com o musical Alegria, Alegria, um recorte histórico sobre o Tropicalismo, dirigido por Moacyr Goes, em cartaz em São Paulo.

 

Algum comentário?
19/12/2018 01:51:39